27 de maio de 2021

Projeto de livros gratuitos já tem 5 unidades em Alto dos Pinheiros

A inspiração veio da França. O primeiro marceneiro, também. Mas todo o resto é daqui mesmo, de Alto dos Pinheiros. Os produtos, as gestoras, os usuários – é do bairro o tripé de um projeto de sucesso que já chegou a cinco praças: o Livros Livres.

Uma moradora de Alto dos Pinheiros viu algo assim numa viagem à Bretanha (noroeste da França). Adorou. De volta ao Brasil, convenceu o marido (um engenheiro francês com jeito para marcenaria) a construir uma casinha. A peça foi feita com material reciclado e instalada na praça Japubá, em fevereiro de 2018 (foto à esquerda). A divulgação se deu por meio de panfletos na vizinhança e posts no Facebook.

“Eu não tinha conta no Facebook e mal sabia como isso funcionava”, conta a moradora responsável por implantar o projeto no bairro, Emma Bovary – um pseudônimo, referência à célebre personagem do romance “Madame Bovary”, que adorava ler (a moradora prefere se manter no anonimato, porque “o projeto é mais importante do que quem está por trás dele”).

A multiplicação

A iniciativa logo fez sucesso. Outra moradora, Patsy Calicchio, apaixonou-se pela ideia e colocou-a em prática na praça Conde de Barcelos – são duas casinhas, uma para livros adultos e outra para infantis (foto à esquerda).

Pouco depois, vizinhos da praça Vicentina de Carvalho convidaram Emma para estender o projeto para lá (foto à direita, abaixo). Em seguida, o mesmo aconteceu na praça Província de Saitama (foto abaixo, à esquerda). Desde então, a SAAP tem parceria com Emma: compra as casinhas de madeira e instala; a moradora fica responsável pela manutenção. A mais recente unidade foi inaugurada em novembro do ano passado, na praça Capitão Matheus de Andrade (foto ao final do texto).

O trabalho de Emma é inteiramente voluntário. Ela recebe doações e seleciona os livros (às vezes há obras muito específicas, técnicas; outras, os volumes não estão em bom estado). Regularmente, limpa e restaura os que começam a se deteriorar, faz a coleção circular entre as diferentes casinhas. Cada um é carimbado e etiquetado, com identificação do ponto de troca e os dizeres: “Livro livre, venda proibida”.

“Qualquer um pode ir à casinha e pegar o livro. Não é obrigado a devolver, nem a colocar outro no lugar – se for pegar vários, aí, sim, a gente pede para repor. Tem gente que só coloca livro, não tira. Pode fazer o que quiser, menos vender”, afirma Emma.

Pandemia

No ano passado, no início da pandemia, Emma suspendeu as atividades. Mas, com o passar do tempo, percebeu que as pessoas continuavam abrindo as casinhas e depositando livros. No segundo semestre, retomou o trabalho. “O movimento não diminuiu. O que mudou é que as pessoas estão indo às praças de máscara, só isso.”

Vários usuários não são moradores, mas trabalhadores do bairro. “Aí é melhor ainda. Já soube de uma mulher que trabalha em casa de família aqui em Alto dos Pinheiros e leu os livros para crianças do bairro onde mora, Cidade Tiradentes. Tem também um morador de rua que pega os livros na Japobá e sempre devolve impecável”, alegra-se Emma.

Gostou da ideia? Então participe da troca de livros em uma das casinhas do bairro. Ou implante você mesmo uma nova unidade do projeto! Os amantes da leitura agradecem.

 

Veja também

25 de agosto de 2012

Missão e objetivos

15 de maio de 2010

Jacarandá-bico-de-pato

16 de maio de 2010

Quaresmeira